IPBeja - Instituto Politécnico de Beja

IPBeja > Eventos > em.cantos > Edições > GALA "em.cantos"
 

Na sequência da realização do “em.cantos” e a fim de homenagear o seu encerramento que irá ocorrer em Beja, no dia 23 de Julho, decidimos  organizar  um  espectáculo  de  solidariedade  com  a  Liga Portuguesa Contra o Cancro, Núcleo de Beja, a ter lugar no Teatro  Municipal  Pax  Julia, pelas 22h, exactamente  no  dia 23 de Julho - Gala “em.cantos”, com o tema Notas pela Vida.

Este espectáculo envolve dois artistas: na sua 1ª parte, a apresentação do novo trabalho - "Nós" - da Anabela e a sua 2ª parte contará com o André Sardet. A sua condução vai estar a cargo do actor João de Carvalho, sobejamente conhecido pela sua participação nos "Malucos do Riso". 

Os bilhetes têm o valor simbólico de 5 euros e a receita de bilheteira reverte integralmente para a Liga Portuguesa Contra o Cancro. 

Os bilhetes estão à venda no Teatro Pax-Júlia, no horário de  Terça - Sexta-feira (10h00m-13h00m/14h00m-19h00m). Também é possível efectuar reservas directamente através do telefone 284315090, cujos bilhetes deverão ser levantados até 24 horas antes do espectáculo.

Seria, pois, um enorme prazer que se associasse aos objectivos desta iniciativa e que colaborasse com a mesma, quer assistindo ao espectáculo como divulgando esta mensagem por forma a que os seus amigos e conhecidos possam também ter a oportunidade de estar connosco nessa noite e dar um pequeno (grande) contributo para ajudar quem precisa.

P'la Organização
Ana Paula Figueira
Victor FIgueira

ANABELA                                                                                                                                                                      

                                                                                                      

                          A   N   A   B   E   L   A      N   Ó   S     

O GRANDE TRIBUTO À MÚSICA PORTUGUESA DOS ANOS 50 A 70

Com seis albuns de carreira editados, dois importantes prémios da música Portuguesa ganhos (A Grande Noite do Fado em 1989 e Festival da Canção em 1993), e  várias  interpretações  de  grande êxito (Amália, My Fair Lady, A Canção de Lisboa, Música  No  Coração, Jesus Cristo Superstar e West Side Story) enquanto  artista  principal  de  teatro musical, ANABELA surge em 2010  apostada  em  dar  novo  fôlego  à sua carreira com aquele que será provavelmente o seu mais maduro e talvez o mais desejado projecto musical que realizou até hoje, NÓS.

NÓS, é o grande tributo de ANABELA à melhor música Portuguesa feita a partir dos anos 50, suas canções, intérpretes e compositores.  NÓS é um projecto musical que ANABELA há muito queria realizar e cujo momento, desejo e maturidade para o concretizar finalmente chegaram.

Em NÓS, o primeiro CD deste projecto, ANABELA percorre o imaginário da música Portuguesa ao longo das décadas de 50 a 70, com interpretações de canções celebrizadas pelos primeiros grandes cantores e compositores da moderna música Portuguesa dos anos 50, canções totalmente feitas de e para o grande meio de comunicação da época, a Rádio, num período que se convencionou chamar dos Reis da Rádio, para se centrar de seguida na magnífica geração de intérpretes dos anos 60, geração que explode artísticamente com a emergência da TV e musicalmente com aquele que viria a tornar-se o grande fenómeno da música ligeira Portuguesa, o Festival da Canção, fechando com a brilhante geração de intérpretes e compositores que nos anos 70 viriam a operar uma mudança fundamental na música feita em Portugal, uma música com uma abertura aos novos géneros pop produzidos internacionalmente.

Em NÓS, ANABELA presta a sua homenagem a todos esses incríveis intérpretes e compositores da música Portuguesa, re-interpretando as canções que os celebrizaram em cada época.

NÓS foi produzido pelo trompetista e produtor musical Laurent Filipe, e promete ser um dos grandes acontecimentos musicais de 2010.

Contactos: Nuno Sampaio , 968 028 815, nuno@ghude.com   


ANDRÉ SARDET
  
                                                                                                                                                               

                                                      

 

André edita o primeiro álbum de originais aos 20 anos, em 1996, depois de se dar a conhecer ao público através da televisão. IMAGENS é o seu primeiro grande passo no mundo da música, uma aposta sólida, que rapidamente coloca o single “O Azul do Céu” nos primeiros lugares dos ‘tops’ de várias rádios nacionais e locais.

Além dos dez originais que compõem IMAGENS, onde se inclui um dueto com Vivianne em “Não mexas no tempo”, André Sardet surpreende ao reinterpretar o inesquecível “Frágil”, de Jorge Palma.

A confirmação dessa identidade, chega em 2002, quando edita o terceiro álbum – ANDRÉ SARDET, homónimo, que mostra uma faceta muito pessoal e madura do músico. Nesse álbum André convida Luís Represas, Rui Veloso e Mafalda Veiga a participar no projecto. Os momentos de gravação vividos entre amigos resultaram na partilha de sentimentos e talentos que reflectidos nos temas “Se Eu Disser”, “Cubo de Gelo” e “Hoje Vou Ficar”.

Mas é com ACÚSTICO que Sardet convence definitivamente o público português, em Julho de 2006, ao comemorar 10 anos de carreira, num álbum que revisita e actualiza as suas composições de maior sucesso, ao mesmo tempo que as aproxima da sua essência. Poucas semanas depois de chegar ao mercado, ACÚSTICO alcança o primeiro lugar do top de vendas nacional, onde permanece 55 semanas, 12 das quais em primeiro lugar. Entre 2006 e 2007, ultrapassa as 150 mil cópias vendidas e alcança o galardão de sétima platina.

Em Fevereiro de 2008, inicia uma digressão ecológica, com características inovadoras em Portugal, de os olhos postos no futuro. Ao longo da ECO TOUR 2008, torna a música mais amiga do ambiente, um gesto pioneiro que alia os seus concertos à consciencialização para importância da reciclagem e poupança de energia. Para além de a tournée passar a utilizar viaturas com menor emissão de CO2, em cada concerto, o consumo de energia baixa para um terço em relação aos espectáculos de 2007.

Ao longo dos 12 anos de carreira, André Sardet esteve sempre lado a lado com projectos de solidariedade e na luta pela consolidação da música portuguesa.

MUNDO DE CARTÃO é o novo álbum de originais de André Sardet. O músico regressa em Outubro de 2008 com um projecto temático que pretende envolver pais e filhos num universo de imaginação e emotividade. MUNDO DE CARTÃO é um projecto familiar, que André começou a compor “envolvido numa orgulhosa e intensa paternidade” e que convida pais e filhos a viajarem no seu imaginário, a partilharem experiências e a (re)viverem momentos de vida únicos. Mas este MUNDO DE CARTÃO é um álbum transversal, que não é só para crianças. É um desafio a todos aqueles que gostaram de ser crianças. Um convite para os que querem voltar a ser crianças. Um bilhete de uma viagem “sem princípio nem fim” para os que, sendo pais recentes, voltam a ser crianças.

André Sardet espera sobretudo que as pessoas, tal como ele, se aproximem das suas memórias e recordem aquele que é, para muitos, o momento mais feliz das suas vidas: a infância.

Seguindo o exemplo de sucesso que foi a ECOTOUR2008, André Sardet quis que MUNDO DE CARTÃO fosse lançado numa embalagem amiga do ambiente , produzida a partir de abate autorizado de zonas de reflorestação. A tinta, cola e verniz utilizados são produzidos a partir de soja e água sem a presença de solventes.
O CD é vendido numa embalagem diferente do comum, comercializada pela primeira vez na Europa: a Ecopack Bend it Green, da Sony DADC. O fabrico da embalagem reduz em mais de metade a emissão de dióxido de carbono do que acontece com uma embalagem normal e não contém plástico. Também os expositores de venda do CD são produzidos com produtos reciclados.

A imaginação sem limites na música e no mundo de André Sardet.

Fonte: http://www.andresardet.com/, adaptado.                                                                         Página Oficial: http://www.andresardet.com/

JOÃO DE CARVALHO                                                                                                    

 

João Manuel Correia Pires de Carvalho nasceu a 25 de Fevereiro de 1955, em Lisboa.

Filho de Ruth Maria Nóbrega Pereira Pires de Carvalho e do actor Ruy Alberto Rebelo Pires de Carvalho.

É casado, tem dois filhos e reside há 27 anos no Concelho de Vila Franca de Xira, na Freguesia de Alverca do Ribatejo.

Foi aluno do Liceu Camões e do Liceu Dom Pedro V, e frequentou posteriormente a Faculdade de Letras de Lisboa, no Curso de História.

Iniciou a sua carreira de Actor na Televisão, ainda com a “Noite de Teatro”, emitida sempre às segundas-feiras, em directo. Tinha então apenas 4 anos de idade.

Simultaneamente, iniciou-se no Teatro Radiofónico Infantil, com Alice Ogando e Madalena Patacho.

Em 1974, estreou-se profissionalmente junto de Laura Alves, integrando a Companhia de Teatro da RTP no Teatro Maria Matos. Aí, como Actor profissional, o seu primeiro espectáculo foi a peça Legenda do Cidadão Miguel Lino de Miguel Franco, a que se seguiram obras de Tchekhov, Brecht, Ibsen, Bernardo Santareno, Manuel da Fonseca, Almeida Garrett ou Ramada Curto. No mesmo teatro veio a participar na fundação e na direcção da Cooperativa Repertório, onde participou em O Encoberto de Natália Correia, O Pato de Georges Feydeau, O Crime do Padre Amaro e A Tragédia da Rua das Flores de Eça de Queiroz, O Avarento de Molière, Schweyk na Segunda Guerra Mundial de Bertolt Brecht, entre muitas outras.

Em 1984, entra para o elenco permanente do Teatro Nacional D. Maria II, onde exerceu vários cargos entre os quais o de Director de Cena. Aí, teve oportunidade de representar peças como Rei Lear e Ricardo II, de William Shakespeare, O Crime da Aldeia Velha de Bernardo Santareno, As Três Irmãs de Anton Tchekhov, A Real Caçada ao Sol de Peter Shaffer, Mãe Coragem e Seus Filhos de Berltold Brecht, O Leque de Lady Windermere de Oscar Wilde, O Fidalgo Aprendiz de Molière, Romance de Lobos de Ramón del Valle-Inclán, de Germânia II de Heiner Müller, Minetti de Thomas Bernhard, Zaca-Zaca de António Torrado, e diversas obras de Gil Vicente, Raul Brandão ou Almeida Garrett.

Como actor e encenador independente, participou em vários espectáculos teatrais, como por exemplo Dom Juan Regressa da Guerra de Ödön von Horváth, Um Inimigo Público de Henrik Ibsen, O Urso de Tcheckov, Ratos e Homens de John Steinbeck, ou Palhaço de Mim Mesmo de Paulo Mira Coelho, onde contracenou com o seu pai, Ruy de Carvalho.

Como Homem do Teatro, também o Teatro Infanto-Juvenil também faz parte das suas prioridades, participou em diversos espectáculos, como por exemplo Zaca-Zaca, O Aprendiz de Feiticeiro, Falar Verdade a Mentir ou Auto da Índia.

A sua actividade estendeu-se ainda ao Cinema, onde participou em várias longas-metragens, tendo sido a última no filme Dos Rivales Casi Iguales (2007), do Realizador Miguel Ángel Calvo Buttini.

Nas últimas décadas evidenciou-se na Televisão, com participações em programas, séries e novelas. Em 1981 aparecia em Sabadabadú com Ivone Silva e Camilo de Oliveira. Em 1982, participa no elenco de Vila Faia. Foi ainda actor em A Vida É Bela?! (1982), Origens (1983), Mãe Coragem e os Seus Filhos (1987), Passerelle (1988), Caixa Alta (1989), Lendas e Factos da História de Portugal (1990), Grande Noite (1990), Sozinhos em Casa (1993), Clube Paraíso (1994), Os Malucos do Riso, em que se popularizou ao longo de 12 anos, participou ainda em Gladiadores (1997), Médico de Família (1998), A Hora da Liberdade (1999), A Loja de Camilo (2000), O Espírito da Lei (2001), Camilo, o Pendura (2002), Não Há Pai, A Minha Família é Uma Animação (2002 a 2003), A Ferreirinha (2004), Uma Aventura (2000 a 2004), Maré Alta (2004 a 2005), Malucos na Praia, Clube das Chaves, Malucos e Filhos, Os Malucos nas Arábias (2005), 7 Vidas, Bando dos Quatro (2006), em 2007 participa na novela Floribella, e em 2008 continua a intensa actividade na Televisão, participando em Malucos no Hospital, Detective Maravilhas, Deixa-me Amar e Chiquitas.

Foi também professor, com carreira de docente no Ensino Secundário e na Universidade de Aveiro, onde leccionava Dramaturgia.

Em termos locais, colabora com a Fundação CEBI, com a Sociedade Filarmónica e de Recreio Alverquense, bem como, com diversas Associações de Solidariedade Social a nível nacional.

Homenageado pela Junta de Freguesia de Alverca do Ribatejo, com o Galardão de Mérito Cultural.

Está neste momento a interpretar o papel de Eduardo Costa na série Equador, e na novela Feitiço de Amor interpreta o papel de Cristóvão.

Actualmente desempenha também as funções de Vereador na Câmara Municipal de Vila Franca de Xira.
 

Fonte: http://www.joaodecarvalho.com



                                                 


OUTROS APOIOS:

            

                        


©2011 - Instituto Politécnico de Beja
Ficha Técnica
Ficha Técnica