IPBeja - Instituto Politécnico de Beja

Testemunhos
 
Zita Duarte

Fui aluna na ESAB entre 1997 e 2005, ano em que conclui a licenciatura em Engenharia Alimentar.
Regressei à ESAB em 2007 para o Mestrado em Engenharia Alimentar e no dia 24 de Julho de 2009, com grande orgulho, um enorme nervosismo e algumas lágrimas nos olhos, fui a primeira aluna a defender uma tese no pólo, intitulada Caracterização Físico Química da Batata-doce de Aljezur.
Foi na ESAB que obtive bases sólidas, bem como uma formação qualificada, ampla e direccionada para o saber fazer, mas tal não seria possível sem os “Gurus” que se dedicam de corpo e alma à escola e aos alunos, transmitindo todo o seu conhecimento de forma exemplar, tornando esta escola única. Queria agradecer ao Doutor João Canada, à Doutora Silvina Ferro Palma, ao Doutor Nuno Bartolomeu e ao Doutor Carlos Ribeiro por me terem acompanhado ao longo dos anos, por tudo o que me ensinaram e pela amizade que continua, por estas e muitas mais razões é com muito orgulho que me formei na ESAB.
A nível profissional, além de coordenar, chefiar e gerir equipas multidisciplinares, asseguro o controlo de qualidade e segurança alimentar em cantinas, elaboro pareces técnicos, colaboro na promoção, dinamização e valorização do concelho de Aljezur. Não tenho dúvidas que os ensinamentos e a sólida formação que obtive na ESAB, ajudaram-me a ser uma profissional mais confiante e motivada para enfrentar os grandes desafios que diariamente surgem.
 
Teresa Maria Gomes Palma

Entrei no ano 1990 no segundo curso de TIA -Tecnologia das Industrias Agro-Alimentares, com o número de aluna 560. Para conclusão do Bacharelato desenvolvi na escola um trabalho, intitulado “Pesquisa de Listeria monocytogenes em queijo de ovelha”, sob orientação da prof. Teresa Santos. Técnica essa ainda utilizada pelos laboratórios de microbiologia de apoio à comunidade do Departamento Agro-industrias. Posteriormente dei continuidade aos meus estudos, ingressando no 1º ano do 2º ciclo da licenciatura Bi-epática, para conclusão da mesma desenvolvi um trabalho de investigação sobre “A possibilidade de Preparação de manteiga a partir de nata de lactosoro”, sob a orientação do Prof. Bartolomeu Alvarenga.
Este percurso académico permitiu-me enveredar por diferentes caminhos: leccionar no ensino secundário e superior; ser responsável por uma unidade fabril de corte e embalagem de produtos alimentares utilizando vários tipos de embalagem; trabalhar numa empresa de consultoria, dando apoio e vigiando a Implementação do HACCP em empresas de restauração, hotelaria e indústria. Actualmente desempenho funções de “nutricionista” onde sou responsável pelo controlo e implementação de ementas e pelo pessoal operacional.
Acredito que o curso Engenharia Alimentar está bem estruturado, as unidades curriculares que são administradas têm aplicabilidade no mundo do trabalho. Temos professores com qualidade, com capacidades e competências que fazem com que o curso Engenharia Alimentar seja um curso “completo”. E mais, por a escola ter dimensões reduzidas, comparativamente às grandes universidades, os alunos e ex-alunos têm o privilégio de poderem contar com o apoio dos professores e da escola para sempre! A escola dá formação, conhecimentos mas tem que haver trabalho/esforço individual.
Muito obrigada.
 
Liliana Poupinha

Sou a Liliana, iniciei o curso de Engenharia Alimentar em 2001. Encontro-me a trabalhar na área dos lacticínios desde 2006. Todo o percurso na Escola Superior Agrária de Beja proporcionou uma enorme aprendizagem que apliquei na vida profissional.
As aulas de lacticínios com o seu cariz prático, foram uma mais-valia para a minha actual situação profissional. Desde análises realizadas a leites, queijos passando pelo fabrico de queijos, manteiga e pelo estudo de processos como o de fabrico de queijo, manteiga e iogurtes ao painel de provadores de vários lacticínios (leite, queijo frescos e curados, iogurtes, leite condensado, etc.) facilitou de todo a minha inserção no mercado de trabalho.
Neste momento encontro-me a terminar o Mestrado de Engenharia Alimentar na Escola Superior Agrária de Beja.
É sem dúvida uma mais-valia o lema da ESAB aprender fazendo!
 
Olinda Guerreiro 

Em 2004 ingressei na ESAB, onde frequentei o curso de Engenharia Alimentar. Onde considero que tive uma formação académica abrangente, qualificada e orientada, de acordo com o lema “Aprender Fazendo”. Onde realmente aprendemos fazendo, uma vez que na maioria das disciplinas produzimos efectivamente produtos alimentares e desenvolvemos novos produtos. Foi durante o meu trabalho final de curso, em 2008, sobre o diagnóstico molecular de mastites em ovelhas, a partir de amostras de leite, realizado no Centro de Biotecnologia Agrícola e Agro-Alimentar do Baixo Alentejo e Litoral (CEBAL), que me apercebi que queria seguir a área da investigação. Ainda em 2008, iniciei o Mestrado em Engenharia Alimentar, também na ESAB, onde pude aprofundar conhecimentos e experiência na área da biologia molecular. Simultaneamente, realizei o estágio profissional no CEBAL, onde continuo passados dois anos a estudar novos métodos para o diagnóstico de mastites em ovelhas.
 
 

©2011 - Instituto Politécnico de Beja
Ficha Técnica
Ficha Técnica